A fonoaudiologia atua na prevenção, avaliação, diagnóstico e tratamento das alterações de deglutição, fala, voz, linguagem oral e escrita, que estejam associadas à doenças neurológicas.

A disfagia ou dificuldade de engolir é bastante frequente nas doenças neurológicas e podem ser caracterizadas pela presença de engasgos, tosses durante alimentação, sensação de alimento parado na garganta, dificuldade para mastigar, perda de alimentos ou líquidos que possam escorrer da boca, dentre outros sinais.  A intervenção precoce faz-se primordial para evitar episódios de pneumonia aspirativa, desnutrição e até o óbito.

As alterações na fala e voz também podem advir de doenças neurológicas e ocasionar voz fraca, rouquidão, nasalidade, instabilidade na voz, articulação imprecisa, troca nos sons da fala, dificuldade no ritmo e incoordenação pneumofonoarticulatória durante a fala, entre outros. Logo, o tratamento tem como objetivo a emissão intelegível e sem esforço.

Também pode ocorrer dificuldade para expressar-se ou compreender o que é dito, além de alterações na escrita e leitura, caracterizando as afasias. Nesses casos, pode haver demora para falar, dificuldade na formação de frases, dificuldades na nomeação de objetos, omissões ou acréscimo de sons na fala. O profissional atua na reabilitação das habilidades de expressão e compreensão da linguagem oral e escrita, bem como na implementação de estratégias de comunicação suplementar ou alternativa.

Várias doenças neurológicas podem trazer prejuízos a essas funções supracitadas, fazendo-se de suma importância a avaliação e intervenção fonoaudiológica precoce.